Extreme Noise Terror, a lenda de Ipswich chega ao Brasil


ENT.jpg

O Coletivo Metalpunk Overkill trás a Belo Horizonte uma das maiores bandas undergrounds, o incrível Extreme Noise Terror!

A banda Extreme Noise Terror da cidade de Ipswich, Inglaterra, foi a primeira a ser denominada como Crust/punk/grindcore, estilos que se uniram para ser a maior catarse sonora que temos conhecimento até então nos dias atuais, pois seremos purificados pela crueza sonora e autentica vindos da fonte e da origem do estilo.

Juntamente com os compatriotas do Napalm Death, cujo os vocalistas por algum tempo inverteram seus papeis quando trocaram de banda por um curto período de tempo, foram denominados sim como pioneiros de uma geração da música inglesa, ou melhor, da anti-música como gostam de serem mencionados, dando continuidade ao que Sex Pistols e The Exploited iniciaram décadas atrás!

Em novembro próximo os veremos pela primeira vez em Belo Horizonte, pois tardaram mas não falharam, se o Napalm Death se antecipou vindo por duas vezes aqui, o ENT não poderia deixar de conhecer a famosa cena mineira do metal que foi tão propagada por décadas mundo afora.

Tendo a formação atual pelos vocalistas: Dean Jones e Ben McCrow, (foram uma das pioneiras a terem dois vocalistas fazendo essa intercalação de vocais), pelo guitarrista: Ollie Jones, pelo baixista: Andi Morris e pelo Baterista: Michael Hourihan a banda chega em um ótimo momento da carreira divulgando suas vasta discografia com ênfase nos primeiros e marcantes albums: “A Holocaust In Your Head” de 1988, “Retro-bution”de 1992, e acredito que “Damage 381” de 1997 com Mark “Barney” Greenway, seja um dos destaques do show por sua relevância.  Podemos também mencionar que a banda possui inúmeros EPs e discos Splits, aqueles qual dividiram com outras bandas do estilo por esses anos de carreira.

Digamos que será imperdível esse show não é não?

21557927_1819397434756239_1691774108138795240_n.jpg

Para esse grande evento foram convocadas as excelentes bandas: Expurgo, Preceptor e Manger Cadavre?.

Expurgo, essa que é uma das bandas de Belo Horizonte mais conhecidas por sua longa trajetória e bons lançamentos na cena grindcore. Atualmente contam em sua formação com: Egon nos vocais, Philipe nas guitarra/vocal, Anderson na bateria e Sérgio no baixo, e sabendo que o ENT é uma das suas maiores influências, podemos dizer que é uma homenagem muito gratificante podermos ver no mesmo palco esses caras com as lendas inglesas. Lembrando que o expurgo também tocou com outro de seus heróis, o Napalm Death em 2016.

Preceptor, outra banda de Belo Horizonte que representa o estilo mais icônico da região, o Death Metal. Formada em 2004 por: Du nos Vocais, Sérgio e Grilão nas guitarras, Fred no Baixo e Moroni na bateria, foram muito bem escolhidos pelo momento que vivem. Uma curiosidade sobre a banda é que quase todas as musicas são em português, o que não é muito comum para as bandas de metal, apesar de que hoje em dia mais e mais bandas optem por cantar em sua língua pátria, ainda o inglês predomina mundialmente. A banda vem divulgando seu recém e ótimo disco “Dogmatismo” e poderemos ver com certeza uma banda muito afiada nessa apresentação.

E do estado de São Paulo vem a banda, Manger Cadavre?,  que nos apresentará seu Hardcore antifascista, com influências de crust, com uma pegada de death metal 90’s muito legal, principalmente pelos vocais de Nata de Lima, que nos remete a bandas como: Obituary e Pestilence, e a sonoridade da banda com aquela pegada de RxDxPx como pude comprovar nas musicas que ouvi!

Então essa moçada de São José dos Campos que está na atividade desde 2011 e já conta com alguns Eps e Splits, vem divulgando seu último trabalho o EP “Revide” com sua formação de peso: Nata de Lima nos Vocais, que como falei, canta d+, além de que uma menina na música extrema é sempre muito legal, Marcelo Augusto nas Guitarras, Jonas Godói no Baixo e Marcelo Kruszynsk na Bateria.

22528470_1596757383714527_1445834569376620135_n.jpg

Manger Cadavre?/Foto: Robson Afonso

Com certeza veremos nessa noite especial em Belo Horizonte e pela turnê pelo Brasil uma explosão de sonoridades impar, mas com muito em comum, pois o underground nos proporciona essa união desde sempre!

Extreme Noise Terror no Brasil: 01/11 – São Paulo/SP,  02/11 – Rio De Janeiro/RJ,           03/11 – Belo Horizonte/MG,  04/11 – Belém/PA, 05/11 – Recife/PE

ENT.jpg

 

Serviço:

EXTREME NOISE TERROR • MANGER CADAVRE? • EXPURGO • PRECEPTOR

 

• EXTREME NOISE TERROR (Crust punk/Grindcore) – UK
• MANGER CADAVRE? (Hardcore Crust) – S. José dos Campos-SP
• EXPURGO (Grindcore) – BH
• PRECEPTOR (Death Metal) – BH

* Sexta feira, 03 de Novembro de 2017 – 20:00 *

MATRIZ CULTURAL
Rua dos Guajajaras, 1353 • Centro • Belo Horizonte / Minas Gerais

Censura 18 anos

Ingressos:

* R$40,00 = PROMOCIONAL até 20 de setembro de 2017 (pagamento com parcelamento em até 12 x ou à vista no boleto bancário)
* R$50,00 = primeiro lote até 10 de outubro de 2017 (pagamento com parcelamento em até 12 x ou à vista no boleto bancário)
* R$60,00 = segundo lote até 02 de novembro de 2017 (pagamento com parcelamento em até 12 x ou à vista no boleto bancário)
* R$70,00 = na porta (dinheiro e cartão de débito)

Venda online:

www.ticketbrasil.com.br
 

Anúncios

Satyricon e Patria na pátria do Black Metal


22459134_1524868180927020_2417812189826878603_o.jpg

Novembro próximo, mais precisamente no dia 10, sexta-feira, enfim Belo Horizonte poderá conferir um dos nomes de maior expressão do black metal mundial, os noruegueses do Satyricon.

Em sua primeira passagem pela terra do metal, o duo Satyr e Frost, dois dos mais renomados músicos que a gelada terra do metal produziu, virão para incendiar o Stonehenge, lugar esse com nome mais que adequado para um show de metal!

Satyricon teve seu inicio na Noruega no ano de 1990, e é considerada uma das pioneiras da segunda leva do metal norueguês criando assim muita pregnância no estilo.

Em 1994 com a entrada de Satyr e Frost, a banda realmente engrenou e de cara criaram um verdadeiro clássico do metal em: “Dark medieval Times”, com suas músicas diretas e aquela sonoridade típica das bandas da região. Mas foi somente dois anos após com o clássico “Nemesis Divina”, que a banda se estabeleceu com a música que daria direcionamento aos trabalhos posteriores, Mother North, uma “Ode ao Metal Negro”!

Ótimos discos foram vindo em sequência como os incríveis: “Volkano” e “Now`Diabolical”, com a banda refinando cada vez mais sua sonoridade que outrora era mais agressiva, com influencias do metal de bandas como Sarcófago, que nunca esconderam essa ótima referência como vimos no último lançamento: “Deep Calleth Upon Deep”, com a capa que nos remete ao disco Rotting de 1989, e bandas como: Venom, Mercyful Fate e Celtic Frost.

Os últimos discos como o melodioso álbum homônimo, “Satyricon” e claro o último, “Deep Calleth Upon Deep” que acredito ser seu mais bem dosado, com partes que nos trazem ao início e ao que estão a fazer nos últimos anos, mostram uma banda muito segura e com poderio para conquistar o topo do black metal.

satyricondeepcallethcd.jpg

Para essa tour foram convidados os brasileiros da banda Patria de Carlos Barbosa/RG, qual também vem divulgando seu incrível álbum: “Magna Adversia” no Brasil e posteriormente mundo afora.

Patria que também curiosamente começou com o Duo: Mantus e Triumsword é a banda perfeita para esse encontro com o Satyricon pois as bandas tem essa particularidade em comum. Mas hoje em dia a banda é mais que isso pois nela encontramos outros grandes músicos que ocuparam as lacunas restantes como muito talento.

O disco foi gravado no Brasil e mixado/masterizado na Europa pelo grande Øystein Brun, da renomada banda Borknagar, e as baterias pelo incrível baterista Asgeir Mickelson (Ihsahn, Sarke, Borknagar), que deram toda a pegada que a banda precisava e o impulso necessário, pois se os álbuns anteriores já eram excelentes vide o anterior “Individualism”, com seu no black metal viceral mais ao mesmo tempo intriseco, esse último é muito mais abrangente com sonoridades variadas, mas com muita coesão e personalidade!

SSR097_cover_web.jpg

Esse show tem tudo para ser o melhor do ano, não apenas pela relevância de ambas as bandas no cenário atual do metal, mas sim da música em seu âmbito geral, e nada melhor que um evento desse nível para encerrar o ano blackmetaller de 2017, ano de bons lançamentos no heavy metal brasileiro, e que o próximo continue a nos brincar com ótimos eventos!

Satyricon e Patria também se apresentam em São Paulo no dia 11 e no Rio de janeiro no dia 12 novembro.

A produção dos eventos é da MS BHz do competente Márcio Siqueira que vem sempre nos trazendo ótimos shows!

Serviço:

Satyricon pela primeira vez em Belo Horizonte
10 de Novembro no Stonehenge Rock Bar
Banda de abertura: Patria
Abertura da casa: 20h30
Show Patria: 21h40 – 22h25
Show Satyricon: 23h00

** Ingressos limitados **

Segundo lote de ingressos à venda:

R$ 100,00 (meia-entrada)
R$ 130,00 (inteira promocional) *
R$ 200,00 (inteira)

* Inteira promocional: Carga de ingresso de inteira com desconto limitada. Quando disponível, qualquer pessoa poderá comprar.

Venda on line:
https://ticketbrasil.com.br/…/5282-satyricon-belohorizonte…/

ou

https://www.sympla.com.br/satyricon-em-belo-horizonte__1672…

** Pontos de venda **

Loja Túnel do Rock (sem taxa)
Rua Rio de Janeiro, 839 – Centro
Segunda a sexta: 9h as 19h
Sábado: 9h as 15h
* Somente no dinheiro *

Cogumelo Records (sem taxa)
Av. Augusto de Lima, 555 – Lj 29 – Centro
Horário de funcionamento:
Segunda a sexta: 10h as 13h | 15h as 19h
Sábado: 10h as 14h
*somente no dinheiro*

Armani Tattoo e Piercing (com taxa)
Rua Antonio de Albuquerque 468 – Savassi
Horário de funcionamento:
Segunda a sexta: 10h as 19h
Sábado: 11h as 16h
*somente no cartão de crédito ou débito*

Censura: 18 anos de idade

 

Metalpunk Overkill, pelo underground


12507226_126752841035102_6004121069431198297_n.jpg4 anos atrás o coletivo MetalPunk Overkill inicio a produção de shows voltados ao underground e vem provando que é possível fazer bons eventos com bandas brasileiras e estrangeiras tendo o investimento nesse seguimento da música diluído entre os seus organizadores e com isso arregimentando uma boa leva de pessoas, sejam elas para expor seus produtos ou simplesmente para prestigiar o evento!

Vimos isso em vários shows pela cidade de Belo Horizonte, inicialmente no Mercado das Borboletas no tradicional mercado central, no hotel diamante, ou nos últimos anos na Enquadros Molduraria, localizado no histórico bairro do Bonfim, onde se encontra o cemitério do bonfim, sim aquele imortalizado nas fotos do icônico disco do Sarcófago INRI.

Achado o lugar definitivo para os shows undergrounds, com as bandas que nunca precisaram do mainstream para existirem, os que proclamam a anti-musica, as que perseveraram pelos caminhos tortuosos do nosso adorado “mundinho” metálico e que somente quem as compreende sabe o valor que tem, o Metalpunk Overkill segue seu caminho nos trazendo o que de melhor é feito mundo afora no underground.

Nesse mas de setembro poderemos ver a banda canadense de crust/blacknend metal, “AHNA”, que vem pela primeira vez a nosso país para mostrar seu odioso metal contra o racismo e o fascismo intolerante dos tempos atuais, e juntamente com as bandas da nossa terra: Aka Funeral, tocando seu black metal técnico e divulgando seu ótimo disco “Stormy Tide” com aquela pegada no black metal norueguês que gostamos tanto, mais as bandas Iron Trash, Nuclear Frost e a Krushhammer substituindo a paulistana Arma que por motivos maiores não poderão tocar teremos um evento imperdível!

metalpunk.jpg

Com ótimas atrações musicais o Metalpunk Overkill não poderia se limitar apenas a sonoridade, pois o conceito punk libertário nos ensinou no passado a importância da cultura punk e do underground fazendo por nós e para todos que usufruem de seu pensamento filosófico. Então teremos exposições de fanzines e literatura proporcionada pela “Imprensa Marginal”, que é uma editora e distro anarcopunk surgida em São Paulo no ano de 2005 tendo como propósito publicar e divulgar materiais anarquistas, libertários, feministas e punx aplicando na prática o critério “faça-você-mesma”.  A “DISTRAMINA”, que é uma distribuidora editorial independente, sem fins lucrativos, que visa difundir bandas e materiais feitos por mulheres, não somente no âmbito musical, mas também literário e artístico, O L@ POEM@ – LIVRE ASSOCIAÇÃO DE POETAS E POETISAS MARGINAIS é um coletivo criado em 1996 abrangendo poetas de todo o planeta terra, utilizando-se da poesia como arma de transformação, educação e emancipação pessoal/social, combatendo de forma lúdica este sistema mecanizado e raso que é o mundo moderno, e a A BELIORUM RECORDS que é um selo e distribuidora de música extrema sediada em Contagem, e estará presente na Feira Metalpunk Overkill com sua banca de CD’s.

21640861_479777069066009_4276686099724650172_o.jpg

21752356_479365925773790_1336506649403670973_n.jpg

 

Outra grata surpresa serão as camisetas feitas em silk screem, por Bruno Somalha com diversas estampas do punk, metal ao gothic rock, e a presença de  Isabela Naíra com sua arte em pinturas incríveis  como a que vemos na imagem ao lado sempre com muita psicodelia homenageado os ícones do rock e heavy metal.

O evento acontecerá na Enquadros Moldaria como já foi dito, e terá outros atrativos como a venda comidas Veganas com participação da: VEG VEG VIÇOSA com trufas sem lactose, da L-DOPA + GORDELÍCIAS VEGANAS, com bolos e tortas, assim como a AUTOGESTÃO SABONETES ARTESANAIS com sabonetes que como o enunciado fala: “não é material como livros e discos, e não é de comer nem de beber… Mas a importância é a mesma, pois é uma proposta de mudança e de ruptura com o monopólio concentrado nas grandes marcas”. Além de cervejas e outros tipos de comidas servidos pelo sempre presente Dú, o Eduardo Ferreira vocalista do Preceptor que estará vendendo a camiseta mais o CD de estreia da banda e que está sempre presente e comanda a casa desde sua criação!

Então amigos agenda anotada, não percam esse grande evento que acontecerá no dia 23 de setembro a partir das 14 horas na já tradicional Moldaria do Bonfim!

21731262_477667539276962_5836032147785556151_n.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Virada do metal se consolida com Krisiun


20882878_1477113925702446_6357862950439904943_n.jpg

Em sua segunda edição, a virada do metal se torna obrigatória para os fãs da música extrema em Belo Horizonte nesse mês de setembro.

Nesse ano o formato se mantém o mesmo com mais de 20 atrações entre elas algumas muito conhecidas do público mineiro tais como: Colt 45, Preceptor, que vem divulgando seu primeiro CD “Dogmatismo”, Dunkell Reiter, Expurgo, que nos trás aquele grindcore como só os mestres sabem fazer, Aneurose, Chaos Synopsis, de São José dos Campos que vem divulgando seu ótimo trabalho “Gods of Chaos”, Scalped, Stomachal Corrosion, que está com nova formação mas com mesmo poderio de fogo de sempre, Bulldogs voltando com gás total e Hell’s Punch de Sérgio Ferreira da banda Overdose.

Além das citadas acima, outras ótimas bandas como a Chronic Ashes, projeto que já se tornou realidade com membros do Preceptor, Necrobiotic e Lustful fazendo sua estreia, teremos outras ótimas atrações como as Bloodshed de Pará de Minas, Érebo de Pedro Leopoldo, Renagados, divulgando seu EP “Insanity”, Godalien e Distúrbio Sub-humano de Belo Horizonte.

Serão dois dias, sábado dia 16 e domingo 17 de setembro, o primeiro dia conta com número maior de atrações começando as 15 horas e encerrando no domingo de manhã, pois no mesmo dia na parte da tarde teremos o complemento do evento a partir das 16 horas e se encerrando as 21:30 com o grande show do Krisiun.

A Virada do metal foi inspirada na famosa virada cultural que é realizada em cidades como: São Paulo e Belo Horizonte aqui na região sudeste a vários anos e claro em outras regiões do país com atrações variadas.

Baseada nessa ideia, a Ms BHz vem realizando esse evento voltado ao underground, mais especificamente privilegiando a cena brasileira com bandas do heavy, thrash, death, black metal e grindcore, e o mais legal desse festival é que sendo elas famosas ou iniciantes terão o mesmo tempo para se apresentarem (35 minutos), tornando-se um festival bem democrático!

E pela primeira vez teremos uma banda de expressão do cenário Metal brasileiro, a escolhida foi nada menos que a banda gaúcha Krisiun que encerra o “fest” com seu Death Metal potente.

krisiun é a banda brasileira mais famosa na música extrema mundial e conquistou seu público pelo mundo como fez nossos saudosos Sepultura décadas atrás. Pode-se dizer que o krisiun faz por merecer seu espaço com muita justiça pois sua sonoridade é única, adicionando ao seu death metal o tempero da cultura brasileira que foi muito bem aceita pelos headbangers ao redor do mundo.

Nesse show a banda vem divulgando seu ótimo disco “Forged in Fury”, e com esse nome não precisa dizer mais nada né!

Alex Camargo, Moises Kolesne e Max Kolesne, não deixaram pescoços intactos nesse massacre sonoro do dia 17 e com certeza podemos esperar por duas noites de puro metal com boas bandas do nosso cenário, pois lembrando, a virada do metal é um festival que valoriza o nosso heavy metal sendo 100% voltado para a música de nossa terrinha!

 

21150173_1488273651253140_7142546081265867381_n.jpg

 

 

Deicide, In The Minds of Evil Latin America tour 2017


Deicide-Chill-Out.jpg

 

“O Ato de matar um ser de natureza divina”, essa é a definição de Deicide e da trajetória do polêmico Glen Benton no death metal americano.

Quando comecei a me interessar pela guitarra em 1987, o metal extremo sempre me atraiu de uma maneira impar, não somente por sua sonoridade rispida e direta mas também pelos solos polidos que os guitarristas invariavelmente destilavam com sua técnica invejável.

Uma das que me chamaram a atenção foi a banda americana Deicide com sua música direta mas melódica, vocais rasgados e monstruosos mas de fácil assimilação, linhas de bateria a velocidade da luz mas totalmente nítidas, e juntamente com as bandas Morbid Angel, Obituary e o saudoso Death, foram com certeza uma fonte de direcionamento na minha trajetória de músico.

Deicide foi formado em 1987, em Tampa, uma cidade localizada na costa oeste do estado americano da Florida, o berço de um dos estilos mais pesados que a musica já produziu e claro não poderia haver lugar melhor para a formação dessa que é sem duvidas uma das bandas que deu sentido ao estilo, pois de la vieram outras muitas mais que ajudaram a cunhar esse estilo.

Glen Benton (vocal e baixo), que afirmou se matar ao 33 anos (idade de cristo), mas já passara a muito dela, Eric Hoffman (guitarra), Brian Hoffman (guitarra) e Steve Asheim (bateria) deram o ponta-pé inicial ao “Amon” que posteriormente viria a se chamar definitivamente Deicide e lançaram discos seminais como: Legion, Deicide, Once Upon the Cross, Scars of Crucifix, produzidos por Scott Burns o lendário produtor americano, reposnsavel por boa parte dos registros americano do death metal, vale lembrar que ele também produziu Beneath the Remains do nosso Sepultura em início de carreira nos EUA.

Após várias mudanças de formação, a banda hoje em dia conta além de Benton, com os guitarristas Mark English e Kevin Quirion, mais o baterista Steve Asheim, seu companheiro nessa empreitada desde seu início.

Atualmente eles vem divulgando seu ótimo registro “In the Mind of Evil” mundo a fora, e este é um dos mais pesados da banda, e mesmo não sendo um lançamento tão recente, ainda tem muita lenha para queimar nessa tour sul-americana.

 

Deicide-in-the-Minds-of-Evil.jpg

 

Pela primeira vez em Belo Horizonte após algumas passagens pelo país, enfim a banda aporta em terras mineiras, esta famosa por ser um dos lugares seminais da musica pesada. Minas Gerais tem historia nesse quesito!

Além de Belo Horizonte dia 9, os shows acontecem em Porto Alegre dia 10, Fortaleza dia 11 e São Paulo dia 12 de Agosto.

A abertura do show em “Beagá” ficou por conta da ótima banda Preceptor. Prestes a lançar seu primeiro álbum completo, a formação conta com: Eduardo(Du) nos vocais , Grilão e Sérgio Wildhagen nas guitarras,  Morone Hiffer na bateria e vocais de apoio e Fred no baixo. Preceptor está na ativa desde 2004 destilando seu death metal com grande influência na velha escola das bandas tais como: Bolt Thrower, Benediction, Obituary e do próprio Deicide.

Ótima escolha da produção, pois o Preceptor já é uma realidade e faz por merecer estar presente nessa grande noite de celebração da estreia dos grandes ícones do Deicide em nossas terras!

E por falar nisso, em Belo Horizonte a produção é da MS BHz do incansável Márcio Siqueira, que vem trazendo ótimos shows em terras mineiras, e uma banda como o Deicide tão esperada não poderia faltar!

Glen Benton vem blasfemar para os metalheads brasileiros que já estão definitivamente possuídos pelo mantra do metal da morte!

 

 

19059117_1405136396233533_5348749626824765616_n.jpg

Anathema – O otimismo está de volta! Latin America Tour 2017


 

anathema - the optimist

Foto: Divulgação

 

Era domingo, 14 de agosto de 1994 e o novatos da banda inglesa Anathema fariam sua estréia no Brasil no festival BHRIF(BH Rock Independente Fest). Nessa época ainda em início de carreira estavam a divulgar seu primeiro álbum “Serenades”, qual foi lançado no Brasil pela gravadora “Cogumelo rec.”, então “Mushroom rec.” para os lançamentos das bandas gringas.

Foram dois shows, um acontecendo na praça da estação(dentro do festival), e outro posteriormente no extinto “Caverna” hoje “Matriz”. Me lembro bem desses eventos mesmo depois de vários anos pois o Anathema é uma banda qual gosto muito! Com seu estilo calcado no Doom Metal sendo bem difundido na Inglaterra à época com nomes tais como: Paradise Lost, My Dying Bride, Cathedral, entre outras, e o Anathema foi a primeira a chegar até nós.

Anathema que é liderado pelos irmãos Vincent, Danny e Jamie Cavanagh  nos dias atuais está na ativa a quase 30 anos nos dando música de ótima qualidade.  A formação, assim como a sonoridade era muito diferente em 1990 quando começaram e contavam com o excelente vocalista Darren White, (que veio na tour de 1994 pelas Brasil) com seu vocal potente e versátil dando muita qualidade e direcionamento para a banda de Doom Metal que eram então em seu início de trajetória.

Os shows em Belo Horizonte foram memoráveis, principalmente o segundo na casa de shows, pois o clima mais intimista era o que precisava para uma banda iniciante que tocava “Welcome to Hell” do Venom! Em 1994 eles vinham apresentando seu ótimo disco Serenades e o tocaram com maestria como se já fossem veteranos na cena, principalmente Vincent que demonstrava toda sua técnica na guitarra em ótimos passagens melódicas e solos pontuais.

Em suma, Anathema veio para ficar!

 

“Se o Joy Division viesse algum dia a ser reformado como uma banda de metal, o produto final haveria de soar como o Anathema. Vocais petrificados, ambiências e letras capazes de emular a morbidez dos poetas românticos são os elementos-chave desta que é, sem dúvida, uma das mais singulares formações da cena inglesa.”

                                                                                                           ARTHUR G. COUTO DUARTE

Anathema

Foto: Divulgação

BHrif

Foto: Divulgação

 

23 anos após, o Anathema então estabelecidos na indústria musical com vários grandes álbuns e mudanças de sonoridades, o que acho normal, pois nesse percurso de 23 anos as coisas naturalmente tendem a se modificar, e a mudança não foi para pior, e sim para algo mais intrigante e com sonoridades diversas desde o começo Doom Metal, foram se extendendo para o Rock Progressivo e a música Eletrônica.

A banda cunhou grandes discos como “Alternaive 4”, esse com uma “pegada” dos grandes ídolos Pink Floyd, “Judgement”, pesado e melódico, bem dosado! A fine Day To Exit, entrando na fase experimental com eletrônico e o grande hit “Panic”.

A banda estava entrando nos anos 2000 com pé direito!

Em “We’re Here Because We’re Here”, de 2010 a então jovem Lee Douglas entra para dar o direcionamento que a banda estava preocupando. Com seu lindo vocal melódico e muito técnico ela veio com aquele toque que a banda necessitava, e entraram no caminho definitivo com melodias certas e emocionantes que privilegiavam seus vocais encantadores, culminando no incrível disco: “Weather Systems” com as ótimas músicas:  Untouchables parts 1 e 2, que invariavelmente estão presentes em suas apresentações.

No ano que voltam se apresentar em Belo Horizonte, acredito que a banda editara seu disco mais legal desde “Judgment”. The Optimist, nos deixa muito otimistas para a grande apresentação que veremos dia 13 de agosto no pequeno mas aconchegante “Granfinos” e nossas amigos da Cidade de São Paulo no dia anterior no Carioca club.

A banda já havia tocado por em São Paulo em 2013 e também em anos antoeriores com casa lotada e ótimos setlists, mas em Belo Horizonte permaneceram ausentes.

Esperamos que após esse ano as coisas sejam diferentes e que retornem diversas vezes, pois o público mineiro está ansioso com a chegada do mês de agosto, o mês do “cachorro louco” e a cada novo lançamento Anathema nos deixa ainda mais empolgados e enlouquecidos com eles!

A produção em Beagá ficou por conta das produtoras: MS BHz e da EV7 Live, que em conjunto trazem essa lenda da musica contemporânea para nós!

últimos ingressos disponíveis pelos sites da Central dos Eventos e Sympla.

Corram, se não ficaram de fora!

 

19656984_1498921873511842_678753740407140693_n.jpg

 

Impurity no topo do reinado satânico do metal


 

IMG_5626.jpg

Prestes a completar 30 anos de carreira, a grandiosa banda Impurity uma da mais aclamadas no Brasil e fora, está em ótima fase. Com vários lançamentos e relançamentos eles vão a todo vapor desbravando parte do mundo com shows em países como: Alemanha, Colômbia, Bolívia, Chile, Perú e a terra do sol nascente Japão.

Desde seu debut: The Lamb’s Fury de 1993, a banda vem lançando ótimos discos como pudemos conferir ao longo de sua trajetória. Into The Ritual Chamber, Satanic Metal Kingdom, Necro Infamists Tumulus Return, Bonfim Moritvri Mortvis, assim como o relançamento do primeiro álbum com nova arte mais um DVD e vários splits, foram devidamente gravados nesses anos de estrada. O mais recente foi com a banda japonesa Sex Messiah, qual tocaram no japão e mês passado em Belo Horizonte.

Pudemos conferir essa apresentação juntamente com o japoneses em maio em um novo lugar para as bandas de rock e metal em Belo Horizonte chamado: “A Autêntica” juntamente com as: Pathologic Noise, Necromante e a já citada Sex Messiah em um evento muito legal com vários amigos.

A banda Necromante de Belo Horizonte foi encarregada da abertura e fez um show incrível, tocaram musicas de seu novo trabalho “The Magickal Presence of Occult Forces”, lançado em K7,(esse formato voltou a ser produzido novamente) e ganhará sua versão em Lp em breve. Mostraram muita competência em uma apresentação magistral  com influencias de Venom e Celtic Frost. Com a presença de ótimos músicos e musicas empolgantes não tem como dar errado.

Em seguida a banda Pathologic Noise, que estava divulgando seu disco novo, “Gore Aberration” não deixou por menos e com muita competência fez um show impecável com novas e antigas músicas. Tchescko Suppurator comanda a banda desde seu inicio, o que faz que tenham muita coesão e o direcionamento que as bandas de Death Metal nos ensinaram desde o inicio do estilo. Então sentimos a brutalidade sonora mas com muita musicalidade nessa nova etapa da banda com os músicos em ótima fase técnica como pudemos conferir em seu ultimo grande álbum recém lançado!

Fechando a noite tivemos o Sex Messiah vindo diretamente do Japão, banda de Black metal muito influenciada pelo Impurity,  comandados pela exótica guitarrista Moenos (Moeko Ikeuchi), tocaram musicas do split Anti Dominical, assim como de seus discos anteriores como: “Wish you were dead”, “Abysmal Ritual”e “Hymn the Apocalypse”.

Não conhecia a banda, achei inuisitada a presença de palco deles, mais especificamente do vocalista que parecia estar possuído, o cara tem muita presença! Gostei e espero que retornem por aqui.

O grande Impurity fez o show da noite, mesmo sendo a segunda atracão. A banda passou por muitas mudanças desde sua formação e até esse que vos escreve teve sua participação em 2001 no disco “Satanic Metal Kingdom”. Hoje contam com o imprescindível “Ram Priest” nos Vocais, “Ron Seth” nas Guitarras, Baixos e grunhidos, lembrando que também foi o criador do primeiro registro “The Lamb’s Fury”, e o baterista da ótima Bonecrusher, “Hellfire (Guilherme Cosse)”.

A apresentação foi magistral com várias músicas de sua discografia, tais como: I.A.O. Treasure e Baphomet Shild do grande “Into the Ritual Chamber”, Ecstasy Law e The Lamb’s Fury, do disco homônimo, Lucifer Vomiting Blasphemies, Sabbat e Canonical Destruction do já raro: “Bonfim Moritvri Mortvis” e Anti-dominical do split, assim como músicas do último registro pela gravadora cogumelo rec.: “Necrologias Infamist Tumulus Return”.

Um dos pontos altos do show foi a grande versão do clássico Invocation of the World of Horrors de “Satanic Metal Kingdom”, um dos meus favoritos. Gosto muito do clima oitentista do disco com influencias de Mercyful fate, Venom e Black Sabbath! Nessa houve a participação nos backing vocais de Marcellus da extinta banda: “As Prophecies”,  qual também participei e Father Pluton da primeira formação do Impurity presente ao show. Ram Priest fez menção a ele no decorrer da apresentação versando sobre os velhos tempos de banda. Foi muito legal, digamos que mágico o clima dessa noite.

Em suma, foi um evento digno dos velhos tempos e me senti em algum momento dos anos 80/90, e acredito que todos tiveram essa sensação.

Espero que possamos ver em breve outras apresentações como essa pois o underground clama por esses grandes momentos!!! \666/

Hail to the sign of black goat, is the favorite of this lord!!!!

 

18425757_1468892213185783_345183453_n.jpgIMG_5620.jpg